7 de agosto de 2011

Nó no cérebro

Um as fez zás
cai e jaz.


Um az vil
tal qual gim, 
de cãs,
num val sem 
luz do sol,
fez jus à 
rês cru.


Ih!! Um nó.

Share this


8 Comments
avatar

Ih! Deu nó no cérebro! Ops. rs

Reply
avatar

Meus nós me perseguem, principalmente na segunda de manhã.

Reply
avatar

Acho que entendi o seu belo poema, mas, como se trata de linguagem muito cuta e sóbria poucos a entenderiam!
Abraço amigo e parabéns!

Reply
avatar

Bem filosóficamente falando o ás que vira vil, cai de podre, porque envelhece e nada mais pode,cai no obscurantismo da morte. Será que peguei o cerne da poeia, ou minha cabeça está a mil, porque os nós quiseram fazer valer seus pontos, mas o ponto podre caiu e nada ficou senão o vão da desgraça espalhada fica com Cheiro de velho, cheiro de mofo,
cheiro de morto.

Reply
avatar

Puxaaaa, é essa linguagem mesmo que eu escuto aqui no twitter com as indiretas. Enlouqueci já? Porque eu ainda estou tentando entender... Se alguém conseguir entender por favor me explique também...Beijoooos!

Reply
avatar

Meus nós da vida é quem transformou minha cabeço em muito nós.
Uma linda semana beijos,Evanir.

Reply